monstro

com um desejo torto como as árvores do cerrado,

tua sintaxe
contaminou minha língua
da improbidade gramatical
de suas nuas
sentenças

corretamente inequívocas
arrogantemente explícitas

tua semântica
arruinou minhas vísceras
pelo pesar intelectual
de suas duas
cabeças:

a civilizada,
que diz o que não pensa
por puro fetiche da colonização

a selvagem,
que pende o contrasenso
no duro deboche da prevaricação

(esse tipo de desejo é que é uma monstruosidade)

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s