fundura

tem gente sendo roubada no oceano da minha memória
do oceano da minha memória tem gente sendo roubada

a tinta lavada da minha pele fala que aqui tem uma história
guardada no fundo do mar
(de) que tem gente sendo roubada

tem gente sendo roubada no oceano da minha memória
amarrada que nem “animais”
tem gente sendo roubada do oceano da minha memória

um oceano fundo
de cor escura funda
um caminho longe fundo pro outro lado do mundo

tem gente sendo roubada no oceano da minha memória
gente preta sendo roubada
sequestrada, escravizada
estuprada, y negada
de seus nomes ancestrais

eu nem me lembro mais o nome da vó da minha vó
y o nome da mãe da vó de minha vó?
que eram pretas retintas

que nem o fundo do oceano que enterrou minhas memórias emergidas em palavras indizíveis falando das ondas do mar naquelas preces-sussurros infinitas de enquanto elas lambem a areia clara da praia com reverências-murmúrios, velando,
velando
velando

velando

27 de setembro, 2013

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s