casa

(da minha máquina de sonhos que ganhei daquela sonho, eu, que sou ANALógica:)

toda poesia cabe no papel
m
 m
   mas poesia que morre no papel não presta,
a casa da poesia é minha voz.Imagem

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s